PODCAST

A História do Disco

A História do Disco

Um podcast para falar de música, discos de vinil e histórias com muito bom humor com a comunicadora e artista Bruna Paulin e convidados. Todo disco tem uma história. Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Recebo convidados muito especiais que dividem por aqui as suas histórias e seus discos favoritos.

Comece aqui
#23 - A História do Disco - Refavela, com Nei Lisboa
Há 5 dias
#23 - A História do Disco - Refavela, com Nei Lisboa
Olá, eu sou Bruna Paulin e esse é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história. Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e muito bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música.  Você sabia que a partir de R$ 7,00 por mês você pode fazer parte do nosso clube, que mantém o programa semanal e gratuito a todas as pessoas? Quem contribui para o financiamento contínuo de A História do Disco recebe novidades antes de todo mundo, ganha descontos, presentes e conteúdos exclusivos, participa de programas e concorre a sorteios super especiais. Para participar, acesse apoia.se/ahistoriadodisco O convidado desse episódio é Nei Lisboa. Nascido em Caxias do Sul, Nei reside em Porto Alegre desde a infância, tendo vivido temporadas em outras capitais brasileiras e também nos EUA, onde concluiu o ensino médio. Mas sua ligação mais forte é mesmo com a capital gaúcha, onde mantém um público fiel, e mais especificamente o bairro Bom Fim, onde cresceu e morou por mais de vinte anos. É irmão mais jovem – entre sete – de Luiz Eurico Tejera Lisbôa, primeiro desaparecido político brasileiro cujo corpo pôde ser localizado, no final dos anos 1970.  Nei tem doze discos lançados ao longo de mais de quatro décadas, além de dois livros: uma coletânea de crônicas e um romance, este editado no Brasil e na França. Suas canções fazem sucesso na voz de intérpretes consagrados como Caetano Veloso, Zélia Duncan, Luiza Possi e Cida Moreira, entre outros. A paixão pela música popular surge na infância – aos oito anos é aluno do Liceu Musical Palestrina – e se consolida ao ingressar, em 1977, no curso (inconcluso) de Composição e Regência da UFRGS. As músicas de Nei participam também da trilha de vários filmes da cinematografia gaúcha, como Deu pra ti anos 70, Verdes anos e Houve uma vez dois verões. Em Meu tio matou um cara, de Jorge Furtado, um dos principais temas é a canção "Pra te lembrar", na interpretação de Caetano Veloso, música que também faz parte do CD Relógios de Sol – lançado em julho de 2003 pelo selo Antídoto. Em junho de 2015, grava ao vivo em Porto Alegre Telas, tramas & trapaças do novo mundo, com patrocínio do projeto Natura Musical. O CD chegou às lojas ao final daquele ano, com shows de lançamento em Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba, entre outras cidades do sul do país, e segue sua trajetória desde então.  Durante a pandemia, Nei se dedicou às lives, produzindo um programa semanal no YouTube, intitulado “Em casa e (ao) vivo”, mesclando música, notícias, humor, entrevistas e participação ao vivo dos internautas. Em meados de 2021, depois de recuperar-se integralmente de uma internação por Covid, Nei retomou o projeto de novo disco, com um EP de nome Pandora e cinco faixas inéditas, lançado ao final do ano nas plataformas digitais. E hoje você vai conhecer a história de Nei com Refavela, de Gilberto Gil. -- Episódio gravado em parceria com Fábrica do Futuro e AudioPorto Apoio: Fábrica do Futuro, AudioPorto, Editora Belas Letras e Toca do Disco Apresentação, roteiro, produção e locução: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001) Produção Fábrica do Futuro/AudioPorto: Laís Moura, Clara Estácio e Marieta Noronha Direção técnica: Lorenzo Schmidt Operação de câmera e áudio: Rael Valinhas Operação de switcher: Lucas Ferreira Técnicos de som: Lauro Maia e Pedro Schmidt
#23 - A História do Disco - Refavela, com Nei Lisboa
Há 5 dias
#23 - A História do Disco - Refavela, com Nei Lisboa
Olá, eu sou Bruna Paulin e esse é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história. Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e muito bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música.  Você sabia que a partir de R$ 7,00 por mês você pode fazer parte do nosso clube, que mantém o programa semanal e gratuito a todas as pessoas? Quem contribui para o financiamento contínuo de A História do Disco recebe novidades antes de todo mundo, ganha descontos, presentes e conteúdos exclusivos, participa de programas e concorre a sorteios super especiais. Para participar, acesse apoia.se/ahistoriadodisco O convidado desse episódio é Nei Lisboa. Nascido em Caxias do Sul, Nei reside em Porto Alegre desde a infância, tendo vivido temporadas em outras capitais brasileiras e também nos EUA, onde concluiu o ensino médio. Mas sua ligação mais forte é mesmo com a capital gaúcha, onde mantém um público fiel, e mais especificamente o bairro Bom Fim, onde cresceu e morou por mais de vinte anos. É irmão mais jovem – entre sete – de Luiz Eurico Tejera Lisbôa, primeiro desaparecido político brasileiro cujo corpo pôde ser localizado, no final dos anos 1970.  Nei tem doze discos lançados ao longo de mais de quatro décadas, além de dois livros: uma coletânea de crônicas e um romance, este editado no Brasil e na França. Suas canções fazem sucesso na voz de intérpretes consagrados como Caetano Veloso, Zélia Duncan, Luiza Possi e Cida Moreira, entre outros. A paixão pela música popular surge na infância – aos oito anos é aluno do Liceu Musical Palestrina – e se consolida ao ingressar, em 1977, no curso (inconcluso) de Composição e Regência da UFRGS. As músicas de Nei participam também da trilha de vários filmes da cinematografia gaúcha, como Deu pra ti anos 70, Verdes anos e Houve uma vez dois verões. Em Meu tio matou um cara, de Jorge Furtado, um dos principais temas é a canção "Pra te lembrar", na interpretação de Caetano Veloso, música que também faz parte do CD Relógios de Sol – lançado em julho de 2003 pelo selo Antídoto. Em junho de 2015, grava ao vivo em Porto Alegre Telas, tramas & trapaças do novo mundo, com patrocínio do projeto Natura Musical. O CD chegou às lojas ao final daquele ano, com shows de lançamento em Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba, entre outras cidades do sul do país, e segue sua trajetória desde então.  Durante a pandemia, Nei se dedicou às lives, produzindo um programa semanal no YouTube, intitulado “Em casa e (ao) vivo”, mesclando música, notícias, humor, entrevistas e participação ao vivo dos internautas. Em meados de 2021, depois de recuperar-se integralmente de uma internação por Covid, Nei retomou o projeto de novo disco, com um EP de nome Pandora e cinco faixas inéditas, lançado ao final do ano nas plataformas digitais. E hoje você vai conhecer a história de Nei com Refavela, de Gilberto Gil. -- Episódio gravado em parceria com Fábrica do Futuro e AudioPorto Apoio: Fábrica do Futuro, AudioPorto, Editora Belas Letras e Toca do Disco Apresentação, roteiro, produção e locução: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001) Produção Fábrica do Futuro/AudioPorto: Laís Moura, Clara Estácio e Marieta Noronha Direção técnica: Lorenzo Schmidt Operação de câmera e áudio: Rael Valinhas Operação de switcher: Lucas Ferreira Técnicos de som: Lauro Maia e Pedro Schmidt
#22 - A História do Disco - Faces, com Pedro Mariano
22-06-2022
#22 - A História do Disco - Faces, com Pedro Mariano
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Você sabia que a partir de R$ 7,00 por mês você pode fazer parte do nosso clube, que mantem o programa semanal e gratuito a todas as pessoas? Quem contribui para o financiamento contínuo de A História do Disco recebe novidades antes de todo mundo, ganha descontos, presentes e conteúdos exclusivos, participa de programas e concorre a sorteios super especiais. Para participar, acesse apoia.se/ahistoriadodisco O convidado desse episódio é Pedro Mariano. A música sempre esteve presente na vida de Pedro. Acostumado a dormir ao som das cantigas de ninar de uma das mais importantes vozes que o Brasil pôde escutar, a ver ensaios, ouvir e discutir música desde que nasceu, não é de se estranhar que Pedro soubesse impor tamanha maturidade em seu trabalho. Filho da cantora Elis Regina e do músico Cesar Camargo Mariano, Pedro pôde acompanhar de perto os passos dos mais importantes artistas da cena musical brasileira. A primeira vez que subiu num palco foi aos 12 anos, em um festival de música. Depois participou, com a sua banda Confraria, do Festival do “Fico”, do “Festival Cultura Inglesa” e do “Festivalda” ganhando, em todos, na categoria de melhor banda. Em 1994 Pedro deixou a Confraria, e optou pela carreira solo. Passou a selecionar seu próprio repertório, gravar demos e fazer jingles. Desde 1997 pra cá são 11 álbuns, com diversas indicações ao Grammy Latino. Em 2022, há poucas semanas, Pedro lançou mais um disco de inéditas, intitulado Novo Capítulo. E hoje você vai conhecer a história de Pedro com Faces, do Earth, Wind and Fire. -- Apoio: Fábrica do Futuro, AudioPorto, Toca do Disco e Editora Belas Letras Produção, roteiro, locução e apresentação: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#21 - A História do Disco - Feijão com Arroz, com Marcia Castro
15-06-2022
#21 - A História do Disco - Feijão com Arroz, com Marcia Castro
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Você sabia que a partir de R$ 7,00 por mês você pode fazer parte do nosso clube, que mantem o programa semanal e gratuito a todas as pessoas? Quem contribui para o financiamento contínuo de A História do Disco recebe novidades antes de todo mundo, ganha descontos, presentes e conteúdos exclusivos, participa de programas e concorre a sorteios super especiais. Para participar, acesse apoia.se/ahistoriadodisco A convidada deste episódio é Márcia Castro. Cantora e compositora baiana, Márcia lançou em 2021 seu quinto álbum, intitulado Axé, com produção musical de Letieres Leite e Lucas Santtana  - dois grandes produtores baianos de gerações e escolas diferentes, e direção artística de Marcus Preto. E no episódio de hoje, você vai conhecer a história de Márcia com Feijão com Arroz, de Daniela Mercury. -- Apoio: Fábrica do Futuro, Audioporto, Editora Belas Letras e Toca do Disco  Apresentação, roteiro, produção e locução: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001) Produção: Laís Moura, Clara Estácio e Marieta Noronha Comunicação de Lucio Brancato, Marcelo Costa e Aline Dillenburg Direção técnica: Lorenzo Schmidt Operação de câmera e áudio: Rael Valinhas Operação de switcher: Lucas Ferreira Técnicos de som: Lauro Maia e Pedro Schmidt.
#20 - A História do Disco - Clarice Clarão, com Beatriz Azevedo e Moreno Veloso
09-06-2022
#20 - A História do Disco - Clarice Clarão, com Beatriz Azevedo e Moreno Veloso
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história. Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco Os convidados desse episódio são Beatriz Azevedo e Moreno Veloso. Beatriz Azevedo é poeta, compositora, multiartista brasileira. Visiting Scholar na New York University de 2022 a 2023, Doutora em Artes da Cena pela UNICAMP e Mestre em Literatura Comparada pela USP. Pesquisadora de Pós-Doutorado Unicamp / Fapesp. Estudou música no Mannes College of Music em Nova York e dramaturgia na Sala Beckett em Barcelona. Gravou os discos A.G.O.R.A, AntroPOPhagia ao vivo em Nova York, Alegria, lançados pela Biscoito Fino no Brasil e pela Discmedi na Europa; e Bum bum do poeta, pela gravadora Natasha Records no Brasil e pela Nippon Crown no Japão. Suas composições foram cantadas por Adriana Calcanhotto, Matheus Nachtergaele, Moreno Veloso, Tom Zé, Zelia Duncan e Zé Celso Martinez Correa, entre outros. Criou parcerias com Augusto de Campos, Cristovão Bastos, Hilda Hilst, Moreno Veloso, Oswald de Andrade, Raul Bopp, Vinicius Cantuária e Zélia Duncan. Escreveu os livros Abracadabra (selo Demônio Negro), Antropofagia Palimpsesto Selvagem (Cosac Naify), Idade da Pedra (Iluminuras), entre outros. Moreno Veloso é cantor, compositor e produtor musical. Estudou física na faculdade, mas atua como músico no Brasil e no exterior. Primeiro filho de Caetano Veloso e da atriz Dedé Gadelha Veloso. Desde criança, Moreno começou a compor canções em parceria com o pai; "Um canto de afoxé para o bloco do Ilê", foi registrada por Caetano no LP "Cores, nomes" em 1982. Em 1997, outra composição de Moreno, "How beautiful could a being be" foi registrada por Caetano no LP "Livro”. Sua música "Sertão”, também em parceria com o pai, foi gravada por Gal Costa. Em 2000 gravou seu primeiro álbum Máquina de Escrever Música, ao lado de Domenico Lancelotti e Kassin, pelo selo Rock it!. Em 2011 atuou como produtor no álbum “Recanto”, de Gal Costa, sua madrinha. Em 2014 lançou o álbum Coisa Boa, seu primeiro disco solo de estúdio, que teve início enquanto ainda estava vivendo na Bahia. A presença da terra natal é evidente em muitas composições de Moreno. Foi convidado novamente por Gal Costa para a produção de seu disco, “Estratosférica” em 2015. Participou do show antroPOPhagia de Beatriz Azevedo em 2016, em apresentações no Oi Futuro no Rio de Janeiro, no Sesc Palladium em Belo Horizonte, e na Caixa Cultural em Brasília. No final de 2018, depois das eleições presidenciais no Brasil, compôs junto com Beatriz Azevedo a canção “Canto”, que está no disco A.G.O.R.A., lançado pela Biscoito Fino em 2019. Ao lado de seu pai e seus irmãos Zeca e Tom Veloso realizou nos últimos anos o espetáculo “Caetano Moreno Zeca Tom Veloso”. Está nos projetos Agora Clarice e Clarice Clarão, ao lado de Beatriz Azevedo. E hoje você vai conhecer a história de Clarice Clarão, álbum que a dupla assina em parceria. - Apoio: Fábrica do Futuro, AudioPorto, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, apresentação e produção: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron
#19 - A História do Disco - Especial 55 anos Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band
02-06-2022
#19 - A História do Disco - Especial 55 anos Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco Nesse episódio especial em comemoração aos 55 anos de lançamento do álbum Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band, o programa, gravado na Fábrica do Futuro com plateia presencial, conta com a participação do músico Arthur de Faria, o pesquisador Gilvan Moura, o CEO da editora Belas Letras Gustavo Guertler, os jornalistas Lorena Calábria e Lucio Brancato e o pesquisador e produtor musical Marcelo Fróes. -- Apoio: Fábrica do Futuro, Audioporto, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001) Produção: Laís Moura, Clara Estácio e Marieta Noronha Comunicação de Lucio Brancato, Marcelo Costa e Aline Dillenburg Direção técnica: Lorenzo Schmidt Operação de câmera e áudio: Rael Valinhas Operação de switcher: Lucas Ferreira Técnicos de som: Lauro Maia e Pedro Schmidt.
#16 - A História do Disco - Guilherme Arantes (1976), com Marcus Preto
04-05-2022
#16 - A História do Disco - Guilherme Arantes (1976), com Marcus Preto
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco O convidado desse episódio é Marcus Preto. Marcus é jornalista e produtor musical, e faz tantas coisas que fica difícil a gente listar tantos trabalhos incríveis que ele se envolve.  Cobre música brasileira desde 2001, passando por veículos como Rolling Stone Brasil, Bravo! MTV, Folha de SP, Oi FM, entre outros. Apresentou entre 2013 e 2017 o Trampolim, onde entrevistava nomes de diversas gerações da MPB. Atualmente, apresenta o programa semanal "Ecoando", nos canais do Amazon Music em que entrevista nomes da novíssima geração da música brasileira de todos os gêneros. Estreou como diretor artístico em 2013 com o EP Tribunal do Feicebuqui, de Tom Zé. Com participação de Emicida e das bandas O Terno, Trupe Chá de Boldo e Filarmônica de Pasárgada, o disco ficou entre os mais baixados no país daquele ano e ganhou uma edição em vinil. Nesses quase dez anos, assinou mais de 25 álbuns e dezenas de shows de Odair José, Gal Costa, Mallu Magalhães, Paulo Miklos, Silva, Ana Cañas, Erasmo Carlos, Nando Reis, Marcia Castro, Juliana Linhares e a novíssima Bala Desejo, entre outros muitos projetos.  Também é curador do Coala Festival que ocorre em setembro de 2022 em SP, além de administrar uma incrível discoteca e posar para fotos com a fofíssima Adelaide. E hoje você vai conhecer a história de Marcus com o disco Guilherme Arantes de 1976 -- Apoio: Editora Belas Letras Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#15 - A História do Disco - Rita Lee (1979), com Isabel Guéron
28-04-2022
#15 - A História do Disco - Rita Lee (1979), com Isabel Guéron
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco A convidada desse episódio é Isabel Guéron.  Atriz, iniciou sua formação profissional em 1990 em grupos de teatro amador. Em 1997 formou-se Bacharel em Artes Cênicas pela Universidade do Rio de Janeiro. Presente na cena teatral carioca, atuou em dezenas de peças ao longo da carreira, com temporadas e turnês por diversas cidades brasileiras. No cinema recebeu o Kikito de melhor atriz no  Festival de Gramado por sua atuação em Buffo&Spallanzani, filme de Flávio Tambellini, baseado na obra de Rubem Fonseca. Apaixonada por literatura, a atriz começou a trabalhar como narradora de audiolivros para diversas editoras. Em 2018 começou a escrever para a plataforma digital Hysteria.etc.br, publicando crônicas periódicas. Seu primeiro livro, Entressafra, foi publicado pela editora Ubook em 2021. E hoje você vai conhecer a história de Isabel com o disco Rita Lee, de 1979. -- Apoio: Editora Belas Letras Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#13 - A História do Disco - The B-52's, com Talita Hoffmann
13-04-2022
#13 - A História do Disco - The B-52's, com Talita Hoffmann
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco A convidada desse episódio é Talita Hoffmann. Talita Hoffmann trabalha com pintura, design e ilustração. Graduada em Design Gráfico e Artes Visuais, desde 2008 trabalha para diversos veículos, como Folha de S. Paulo, MTV, SESC, revista Quatro Cinco Um, Superinteressante, editora Todavia, entre outros. Ilustrou o livro “Jacaré, não!” de Antonio Prata (editora Ubu) e “A Revolução dos Bichos” de George Orwell (editora Antofágica). Ilustrou o almanaque musical “O Som de São Paulo 1967-1985” escrito por Fabiana Caso (editora Terreno Estranho). Fez os projetos gráficos dos discos “Projeções" de Pedro Pastoriz, “Grandeza" de Sessa e “Melhor do que parece” da banda O Terno. Já realizou exposições individuais e coletivas em lugares como Galeria Logo, MAM-RJ, MAM-RS, MIS, Fumetto International Comix Festival e Galeria Aura. Atualmente vive e trabalha em São Paulo. E hoje você vai conhecer a história de Talita com o disco homônimo do The B-52's de 1979. -- Apoio: Editora Belas Letras Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#11 - A História do Disco - Vamos Xamegá, com Kelly Marques
30-03-2022
#11 - A História do Disco - Vamos Xamegá, com Kelly Marques
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco -- A convidada desse episódio é Kelly Marques. Filha de migrantes nordestinos, canta pra aliviar o pranto e pra se conectar com a ancestralidade. Começou cantando na igreja, depois passou por corais, cantou samba e MPB na noite paulistana até encontrar no forró e nas canções da cultura popular sua maior forma de expressão. É cantora, compositora e vocalista na banda de forró Bando de Régia. É autora junto com o Bando de Régia do Forróbook Anastácia, livro contendo biografia, relatos de composição, cifras e partituras da compositora pernambucana, responsável por clássicos da MPB, como Eu Só Quero Um Xodó e Contrato de Separação. É formada em Letras, tem especialização em Literatura, exerce a docência há mais de 20 anos com amor e cuidado, visando uma educação libertadora, sendo há mais de 10 anos professora no ensino superior. Com o Bando tem dois discos lançados, o primeiro com canções autorais, de 2019, quando colocou no mundo sua primeira composição, escrita em parceria com Caio Caetano, chamada Deus Abençoe o Forró; e o segundo, de 2021, com releituras da obra de Anastácia. Recebeu os prêmios de Revelação Feminina e Melhor Intérprete no Festival Forró da Lua Cheia na 29ª. Edição (2019). Amante do carnaval de rua, canta também no bloco Filhos de Gil. É mestranda em cultura e identidades brasileiras na USP onde desenvolve pesquisa sobre mulheres (cantoras e compositoras) atuantes no forró pé de serra. Milita por um forró mais feminista e igualitário. E hoje você vai conhecer a história de Kelly com o disco "Vamos Xamegá", de Anastácia. Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#10 - A História do Disco - Recanto, com CARU
24-03-2022
#10 - A História do Disco - Recanto, com CARU
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco -- A convidada desse episódio é CARU. Feirense, CARU atualmente mora no RJ. Além de nômade, é cantora, compositora e uma empreendedora do setor de música. Após concluir a residência artística do ASA - Oi Futuro e British Council, foi uma das artistas selecionadas para a Aceleração Labsônica - Toca do Bandido, entre 900 inscritos e escolhida por voto popular para integrar o line-up do último Festival Faro (RJ). No momento está lançando novas músicas do seu próximo EP - Paris, Bahia. Diversidade Nordestina e Polpa já estão disponíveis nas plataformas de música. Além disso, desenvolve uma plataforma para a cena música independente baseada na relação real entre fãs e artistas, o WOW Rank. Com sócios desenvolvedores, foi destaque na SIM - SP na sessão de Pitching de Startups e mais recentemente acabou de conseguir o primeiro capital semente para desenvolver o MVP do WOW Rank, após mentorias do Instituto Ekloos, pelo edital Vamos.Rio de negócios de impacto social. E hoje você vai conhecer a história de CARU com o disco Recanto, de Gal Costa. Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#09 - A História do Disco - Aos Vivos, com Marissol Mwaba
16-03-2022
#09 - A História do Disco - Aos Vivos, com Marissol Mwaba
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco A convidada desse episódio é Marissol Mwaba. Aos 29 anos, Marissol Mwaba já catalogou galáxias; lançou o álbum "Luz-A-zuL" (2016) e o registro de um processo terapêutico “Palavra Mágica Acústico Rec’n’Play” (2018); estudou Astrofísica na Sorbonne, em Paris; colaborou com diversos artistas como Emicida, Luedji Luna, Rincon Sapiência e Chico César. A artista cientista brasileira de origem congolesa, que reflete em sua obra influências musicais unidas ao panorama cultural africano, compõe, canta e toca baixo, violão e bateria. Teve a canção "Notícias de Salvador”, parceria com o irmão François Muleka, e a faixa "Erro" gravadas pela cantora Luedji Luna, respectivamente, nos discos “Um Corpo no Mundo” (2017) e “Bom Mesmo é Estar Debaixo D’Água” (2020). Gravou nos álbuns "AmarElo" (2019), de Emicida (faixa “Principia”), vencedor do Latin Grammy 2020; “O Amor é um Ato Revolucionário” (2019), de Chico César (arranjos vocais em metade das faixas, ao lado do irmão Muleka); e “Mundo Manicongo”, de Rincon Sapiência (voz e baixo na faixa “Não Sei Pra Onde”, com Mano Brown). Lançou o single "Quero Te Ver Bem Amanhã", ao lado de Fióti e Rael; e assina as músicas “Renascer”, gravada e lançada por Drik Barbosa no disco homônimo de 2019, e "Sobre Nós", com Drik Barbosa e Rashid. Participou ainda do show de Mc Soom T com Alpha Petulay, no Festival Woodstower, em Paris; do TEDx São Paulo, na Casa Natura Musical; e do programa The Voice Brasil, na TV Globo. A turnê autoral “Lamuka” passou por Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Salvador e abriu os shows de Emicida, no Circo Voador (RJ), e Xênia França, em Florianópolis. Com a interrupção da turnê pela pandemia, renasce em novas composições e anuncia o EP “Ndeke”, que conta com três singles, sendo o primeiro deles “Chupando Versos”, lançado em agosto de 2021, seguido de “Marte“, com produção musical de Mônica Agena e participação de Tuyo. E hoje você vai conhecer a história de Marissol com o disco Aos Vivos, de Chico César. -- Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#08 - A História do Disco - O Grande Encontro, com Juliana Linhares + lançamento de I Need Marriage (inédita de Júpiter Maçã)
09-03-2022
#08 - A História do Disco - O Grande Encontro, com Juliana Linhares + lançamento de I Need Marriage (inédita de Júpiter Maçã)
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco A convidada desse episódio é Juliana Linhares. Cantora, compositora e atriz potiguar, Juliana lançou em março de 2021 seu álbum de estreia. Intitulado Nordeste Ficção, o trabalho, que tem direção artística de Marcus Preto e produção musical de Elísio Freitas, foi imaginado como um roteiro de teatro, um romance de autoficção e um docudrama cinematográfico. Em 11 faixas, o trabalho traz uma beleza e alegria irresistíveis, remetendo aos deliciosos LPs clássicos de Amelinha, Elba Ramalho, Cátia de França, Terezinha de Jesus e outros nomes da geração nordestina lançados na virada dos anos 1970 para os 1980. Traz ainda a grandeza melódica e poética de compositores como Alceu Valença, Ednardo, Fagner, Belchior e Zé Ramalho e dialoga com os herdeiros deles nos anos 1990: Chico César, Zeca Baleiro, Rita Ribeiro, Lenine etc. Com canção inédita de Tom Zé cantada ao lado de Letrux (esta exclusivamente produzida por Pedro Carneiro / Vovô Bebe), além de diversas parcerias de Juliana com Chico César, Zeca Baleiro, Khrystal, Moyseis Marques, Posada, Mestrinho, Jéssica Caitano entre outros e uma releitura do hino nordestino Tareco e Mariola, de Petrúcio Amorim, o álbum, que teve influência do livro A Invenção do Nordeste e Outras Artes, de Durval Muniz de Albuquerque Jr., também abre espaço para questionamentos sobre os significados de ser nordestina hoje. Artista nascida em Natal, Juliana foi viver no Rio de Janeiro em 2010. Essa mudança deu a ela um lugar de observação privilegiado a respeito dos clichês com que o resto do país enxerga o Nordeste. A reação a esses estereótipos - e também a compreensão deles - foi material para a criação das canções. E se o Nordeste é uma invenção, como cantou Belchior, a arte segue sendo o meio para desconstruir narrativas. E criar outros nordestes possíveis. Juliana Linhares também é a voz à frente da banda Pietá desde 2012 e integrante do grupo Iara Ira, junto com as cantoras Júlia Vargas e Duda Brack. Vale ressaltar também que nas artes cênicas, Juliana Linhares já trabalhou com João Falcão em A Ópera do Malandro e Gabriela, esteve ao lado de Angel Vianna no espetáculo O Tempo Não Dá Tempo dirigido por Duda Maia, foi diretora assistente em Vamos Comprar um Poeta, é alternante da atriz Laila Garin no musical A Hora da Estrela e atua em Contos Partidos de Amor. E hoje você vai conhecer a história de Juliana com O Grande Encontro, de Elba Ranalho, Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho, de 1996  Esse episódio também conta com o lançamento exclusivo da faixa I Need Marriage, canção inédita de Júpiter Maçã, do álbum The Man Was. -- Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#07 - A História do Disco - Low, com Fabiana Caso
02-03-2022
#07 - A História do Disco - Low, com Fabiana Caso
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco A convidada desse episódio é Fabiana Caso. Paulistana, Fabiana é pesquisadora de música, consultora de conteúdo, escritora, curadora de playlists e repertórios, editora de conteúdo musical, DJ, idealizadora e fundadora de eventos musicais como a festa e festival Neonloop!, escritora, jornalista e tradutora. Pesquisa cenas e histórias sonoras, bem como a sua relação com diferentes cidades e idiomas, motivação para suas viagens e residências nômades em cidades como Berlim, Nova York e Londres. É autora do livro O Som de São Paulo/ São Paulo Sound, ilustrado por Talita Hoffmann e publicado pela editora Terreno Estranho em edição bilíngue em 2021. Vem trabalhando como curadora de playlists e listas de gêneros musicais variados como freelancer para diferentes plataformas digitais, estrategista de lançamentos musicais, escritora de um livro infantil e editora de conteúdo para diferentes meios digitais. Propôs e escreveu uma série de reportagens de turismo musical para veículos como O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo sobre cidades como Providence, Berlim, Nova York e São Paulo. Trabalha atualmente em um projeto de um documentário sobre música e em escritos para livros. Atuou como editora de conteúdo musical, curadora de playlists, consultora de conteúdo e merchandiser em serviços de streaming de música como o Rhapsody- Napster (2014) e Google Play Music (de 2015 a 2017). Em seu passado como jornalista, trabalhou como editora de música, subeditora e editora de turismo nas revistas bilíngues e sites da Time Out São Paulo durante três anos (2011 a 2014), e como repórter do jornal O Estado de S. Paulo por nove anos (2000 a 2009). Colaborou com publicações como Jornal da Tarde, Rolling Stone Brasil, Viagem & Turismo e Babbel, entre muitas outras, e escreveu guias de turismo sobre capitais brasileiras para a Editora Empresa das Artes. É ainda a autora principal do ensaio acadêmico Tropical Glam: The Libertarian Glitter Scene in Brazil – sobre paralelos do glam rock no Brasil –, publicado em 2016 pela editora britânica Routledge, no livro Global Glam and Popular Music Style and Spectacle from the 1970s to the 2000s, editado pelos professores Ian Chapman e Henry Johnson. Curiosa por natureza, adora explorar as relações entre diferentes cidades e a música, e tecer pontes entre culturas. Nas horas livres, gosta de estudar idiomas e instrumentos: fala quatro línguas e luta para aprender alemão há alguns anos, bem como a tocar Theremin e melhorar em suas versõeszinhas punk-despretenciosas no violão e canto. E hoje você vai conhecer a história de Fabiana com Low, de David Bowie. -- Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#06 - A História do Disco - Através dos Tempos, com Bruno Gouveia
23-02-2022
#06 - A História do Disco - Através dos Tempos, com Bruno Gouveia
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco O convidado desse episódio é Bruno Gouveia, cantor e um dos compositores do grupo Biquini Cavadão - um dos mais longevos representantes do rock brasileiro, com mais de 35 anos de carreira. Seus discos já passaram a marca de  1,5 milhão de cópias vendidas. Pioneiro entre os artistas na Internet, viveu e acompanhou de perto todas as transformações pelas quais a indústria fonográfica e o show business passaram desde a década de 1980 aos dias de hoje.  Co-autor de diversos sucessos, além de  produtor musical, entre outros trabalhos, Bruno é  casado com a cantora Izabella Brant, com quem tem dois  filhos: Leticia e Leonardo. Com doses de superação e relatos envolventes, Bruno lançou, em 2019, seu primeiro livro: uma autobiografia que ilustra também a trajetória de sua própria banda. E hoje você vai conhecer a história de Bruno com Através dos Tempos, mais recente álbum do Biquini Cavadão. -- Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#05 - A História do Disco - Exodus, com Sérgio Martins
16-02-2022
#05 - A História do Disco - Exodus, com Sérgio Martins
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco O convidado desse episódio é Sérgio Martins, jornalista e crítico musical. Passou pela redação do jornal Notícias Populares (abril de 1990 a dezembro de 1993), da revista Bizz (janeiro de 1994 a janeiro de 1999), Época (janeiro a maio de 1999) e VEJA (junho de 1999 a fevereiro de 2020). Colaborou para o caderno Ilustrada, de A Folha de São Paulo, o Caderno 2, de O Estado de S. Paulo, o Divirta-se de O Jornal da Tarde e é um dos poucos brasileiros a assinar uma matéria de capa da revista Time - Beyond Bossa Nova, perfil do músico Max de Castro, publicado em setembro de 2001. Atualmente dedica-se aos programas Instalive, show de entrevistas realizado no Instagram smartinz15; ao Conversa de Música, programa de entrevistas do canal InnSaei.TV; aos podcasts Os Notáveis e Bom pra K7 e colaborações para as revistas Carta Capital e GQ. E hoje você vai conhecer a história de Sérgio com Exodus, de Bob Marley & The Wailers. -- Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)
#04 - A História do Disco - Azul Moderno, com Luiza Lian
09-02-2022
#04 - A História do Disco - Azul Moderno, com Luiza Lian
Olá, eu sou Bruna Paulin e este é o podcast A História do Disco. Todo disco tem uma história.  Ou mais. E por aqui você vai poder conferir tanto histórias e curiosidades sobre a produção de álbuns de diversos estilos e momentos da história da música como também como esses discos fazem parte das nossas vidas. Seja muito bem vinda e bem vindo: esse programa é para todo mundo que é apaixonado por música. Colabore com nosso financiamento contínuo para o programa seguir semanal e gratuito para todas as pessoas em apoia.se/ahistoriadodisco A convidada desse episódio é Luiza Lian. Cantora, compositora e artista visual, Luiza funde a experiência de uma espiritualidade sincretizada com a intensa realidade urbana de São Paulo. As turnês de seus dois últimos álbuns - Oyá Tempo (2017) e Azul Moderno (2018) ficaram conhecidas pela exuberante visualidade dos espetáculos, ambos com a direção assinada por Luiza. No que tange aos discos, Azul Moderno (2018), foi premiado como melhor disco de 2018 pela APCA - Associação Paulista de Críticos de Arte e “Melhor Gravação” pelo Prêmio Multishow. O conteúdo de sua poesia, com forte teor autobiográfico, aborda temas como espiritualidade, tecnologia e relacionamentos, e traduzem um vínculo com a sua produção como artista visual. Se pensarmos em magia como um conjunto de palavras e gestos capazes de direcionar forças que, apesar de invisíveis, influenciam nossas vidas, é bastante apropriado dizer que a música de Luiza Lian é um ato de feitiçaria. E hoje você vai conhecer a história de Luiza com Azul Moderno, seu álbum de 2018. -- Apoio: Cubo Play, Editora Belas Letras e Toca do Disco Roteiro, locução e entrevista: Bruna Paulin Edição: Nicolly Demeneghe Arte: Librae Vinheta: Augusto Stern e Fernando Efron (ISRC - BR0SF2100001)